domingo, 28 de agosto de 2016

Deus e a Ciência


Um senhor de 70 anos viajava de trem, tendo a seu lado um jovem universitário que lia um livro de ciências. O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta.

Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia Sagrada… Logo o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

– O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

– Sim, mas não é um livro de crendices. É a Palavra de Deus. Estou errado?

– Mas é claro que está! Creio que o senhor deveria estudar a História Universal. Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião. Somente pessoas sem cultura ainda creem que Deus tenha criado o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

– É mesmo? E o que pensam e dizem os nossos cientistas sobre a Bíblia?

– Bem, respondeu o jovem, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas me deixe o seu cartão, que eu lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência.

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário.

Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma “ameba bêbada”… No cartão estava escrito:

Professor Doutor Louis Pasteur Diretor Geral do Instituto de Pesquisas Científicas da Universidade Nacional da França.

"Um pouco de ciência nos afasta de Deus… Muito, nos aproxima."

sábado, 9 de julho de 2016

Um grande gesto de amor!

Um menino e uma menina

Um enfermeiro me contou que há muitos anos, quando trabalhava como voluntário em um hospital, conheceu uma menininha chamada Liz que sofria de uma terrível e rara doença. A única chance de recuperação para ela parecia ser através de uma transfusão de sangue do irmão mais velho dela de apenas 5 anos que, milagrosamente tinha sobrevivido a mesma doença e parecia ter, então, desenvolvido anticorpos necessários para combatê-la.

O médico explicou toda a situação para o menino e perguntou, então, se ele aceitava doar o sangue dele para a irmã.

O garoto hesitou um pouco, mas depois de uma profunda respiração ele disse:

- Tá certo, eu topo já que é para salvá-la...

A medida que a transfusão foi progredindo, ele estava deitado na cama ao lado da cama da irmã e sorria, assim como nós também, ao ver as bochechas dela voltarem a ter cor. De repente, o sorriso dele desapareceu e ele empalideceu. Ele olhou para o médico e perguntou com a voz trêmula:

- Eu vou começar a morrer logo?!

Por ser tão pequeno e novo, o menino tinha interpretado mal as palavras do médico, pois ele pensou que teria que dar todo o sangue dele para salvar a irmã!

Para refletir:

Porque quando criança, somos capazes de grande gestos e com o passar da idade passamos a ser cada vez mais mesquinhos e arrumamos desculpas para justificarmos os nossos atos e omissões?!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

O que podemos aprender com os lobos?

Uma alcatéia, ou seja, um bando de lobos atravessando a floresta
Imagem: Facebook
Numa alcatéia, como é chamado um bando de lobos, os três primeiros são os mais velhos ou os doentes e marcam o ritmo do grupo. Pois, se fosse o contrário, ficariam para trás e perderiam o contato com a alcatéia. E em caso de emboscada dão a vida em sacrifício pelos mais jovens.

Eles são seguidos pelos 5 mais fortes que os defenderão em um ataque surpresa. No centro seguem os demais membros da alcateia, e no final do grupo seguem os outros 5 mais fortes que protegerão o grupo.

Por último, sozinho, segue o lobo "alpha", o líder da alcatéia. Nessa posição ele consegue controlar tudo ao redor, decidir a direção mais segura que o grupo deve seguir e antecipar os ataques dos predadores.

Resumindo, a alcatéia segue ao ritmo dos anciões e sob o comando de um líder que impõe o espírito de grupo não deixando ninguém para trás. Nos deixando claro que na vida em grupo, o importante não é chegar primeiro, mas juntos ao mesmo destino.

domingo, 20 de março de 2016

A jabuticabeira

Uma jabuticabeira carregada de jabuticabas
Imagem: Pixabay.com
Certa vez um jovem se aproximou de um senhor que cuidava de uma planta em seu quintal e perguntou:

- Que planta é esta?
- É uma jabuticabeira - respondeu o velho.
- E ela demora quanto tempo para dar frutos?
- Ah, pelo menos uns quinze anos - informou o homem.
- E o senhor espera viver tanto tempo assim? – indagou o rapaz com ironia.
- Não, não creio que viva tudo isso, pois já estou no fim da minha jornada, disse o ancião.
- Então, que vantagem você leva com isso, meu velho?

E o velhinho respondeu calmamente:

- Nenhuma, exceto a vantagem de saber que ninguém colheria jabuticabas se todos pensassem como você...

Que lição podemos tirar dessa história?

terça-feira, 15 de março de 2016

Pátria amada Brasil

Imagem: Pixabay.com
Inicio essa semana feliz e esperançoso quanto ao futuro do meu país. Ontem vi com brilho nos olhos multidões de patriotas levando o verde e amarelo para as avenidas das principais cidades brasileiras.

O rico e o pobre. O velho e o jovem. Todos com a mesma esperança: passar a limpo a história do Brasil.

Eu também penso que a justiça tem que ser feita e com o mesmo peso para todos políticos corruptos, independentemente do partido que os acolhe. Mas só acredito numa real mudança quando o povo brasileiro...

Parar de furar fila...
Parar de estacionar em local proibido...
Parar de fazer fila dupla...
Deixar o idoso passar na frente...
Não jogar lixo na rua...
Não vandalizar quando seu time perde...
Assumir seus erros...
Denunciar o malfeito de alguém próximo...
Obedecer as leis do trânsito...
Dirigir sem beber...
Devolver o troco a mais...
E abandonar de uma vez por todas o jeitinho brasileiro.

É o que penso, e você?!